JPMotos
Violência armada arrasta famílias a morte, com mães, filhos e irmãos executados
13 de julho de 2020 às 09:38
175
Visualizações
Mãe se abraça ao corpo do filho assassinado, cena “comum” na periferia

Na guerra entre facções e na pandemia da violência que atinge o Ceará, famílias estão sendo destruídas pela criminalidade. Bandidos invadem casas e fuzilam pais, mães e filhos. São crimes que têm se tornado, cada vez mais, comuns no dia a dia da violência no Ceará.

Nestas duas primeiras semanas de julho de 2020 vários casos de famílias que foram atingidas pela onda do crime no estado foram registrados. Veja a seguir:

Crimes atingem famílias

1 – Na noite da última quinta-feira (9), mãe e filho morreram abraçados. O fuzilamento aconteceu no bairro Romeirão, na cidade de Juazeiro do Norte. As vítimas do duplo homicídio foram identificadas como sendo o adolescente Rafael da Silva Santos, 16 anos; e sua mãe, a dona de casa, Maria do Socorro da Silva.

Maria tinha ido à delegacia buscar o filho que, horas, antes, havia sido apreendido praticando furtos. Na volta para casa, os dois foram fuzilados.  Outro filho da doméstica também foi baleado, mas escapou. Está hospitalizado.

2 – No dia 1º de julho, os irmãos Carlos Eduardo e Carlos Rafael Cassiano Cavalcante, de 16 e 18 anos, respectivamente, foram mortos, a tiros, dentro de casa, na Rua do Comércio, Distrito de Amanari, em Maranguape.  A mãe deles ficou gravemente ferida e permanece hospitalizada.

3 – No dia 3 último, os irmãos Jair e Josivan Gregório do Nascimento, de 28 e 31 anos, respectivamente, foram assassinados, a tiros, quando jogavam futebol em um campo na localidade de Barrocão, em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza. Eles seriam, supostamente, chefes de uma facção naquela comunidade e foram executados pela facção rival. ]

4 – No último dia 7, pai e filha foram mortos dentro de casa. O crime aconteceu na localidade de Frios, no Distrito de Parazinho, Município de Granja, na zona Norte do estado (a 322Km de Fortaleza).   João Batista Sousa Monteiro, 45 anos, agricultor;  e sua filha Juliana Sousa Monteiro, 4 anos, foram executados sumariamente a tiros por pistoleiros. Dois suspeitos já foram identificados e detidos pela Polícia Civil.  A motivação do crime seria, supostamente, uma briga por terras.

Com Informações Fernando Ribeiro

 

ComentáriosComentários