JPMotos
Normando Sóracles assumiria o cargo de deputado federal em abril último; o que perdemos?
25 de maio de 2021 às 11:00
18
Visualizações

Nesta matéria especial, no dia em que se completa cinco meses de falecimento do radialista, empresário e líder político Normando Sóracles, amigos, colaboradores e familiares contam as suas vivências com o comunicador, e ressaltam a perda política que o Cariri sofre sem a posse do mesmo como deputado federal.

O NORMANDO

Normando Sóracles Gonçalves Damascena nasceu em Cajazeiras, Paraíba, no dia 14 de novembro de 1960. Radicou-se em Juazeiro do Norte, terra do Padre Cícero, se destacando como empresário e comunicador. Trabalhou como radialista e foi fundador, em 2005, do Site Miséria, o terceiro maior portal de notícias do estado do Ceará.

Seja nas ondas do rádio ou por meio da internet, Normando sempre fez questão de manter contato direto com a população e debater políticas públicas. Seu tom de voz alto e firme, comprava brigas, mas também acalentava. Viu na política a chance de utilizar cargos eletivos para defender o que acreditava.

FAMÍLIA

A sua filha, a advogada e acadêmica de Medicina, Lívia Romana, relata em vídeo a sua vivência cotidiana com o pai. No material, ela reforça os ideais de Normando e relembra as vezes em que sua atuação política foi subestimada. Vindo a surpreender nas urnas. Assista:

(matéria continua em seguida)

Adriana Russo, esposa e companheira de Normando por 36 anos, faz um relato emocionado sobre o falecido marido. As características e virtudes do comunicador são ressaltadas. Ela lamenta a perda e agradece ao amor dedicado ao mesmo. Assista:

(matéria continua em seguida)

ELEIÇÕES

No Cariri, a primeira eleição a qual Normando concorreu foi no ano de 2000, ao cargo de vereador de Juazeiro do Norte, com o nome de urna Normando Rádio Tempo. Citada emissora essa a qual pertenceu até sua morte. Naquele ano, não chegou a se eleger. Era filiado ao então Partido do Movimento Democrático Brasileiro, PMDB, hoje MDB.

Nas eleições de 2004, concorreu ao cargo de prefeito de Juazeiro do Norte pelo Partido Social Liberal (PSL). O vice era Cabo Silva Lima. Ali, Normando Sóracles fez uma campanha baseada no diálogo, que acabaria por edificar pilares para os pleitos seguintes. Terminou em 4º lugar, com 3.888 votos. Raimundo Macedo, o Raimundão, acabou eleito.

Normando voltou a concorrer a um cargo eletivo apenas em 2010. Desta vez, ainda pelo PSL, concorreu ao cargo de deputado estadual. Terminou na suplência após obter 9.828 votos. O salto de quase 6 mil votos, em comparação ao pleito de 2004, mostrou sua ascensão no cenário político. Além disso, ali ficou claro que seu protagonismo já estava para além das disputas municipais.

Nas eleições municipais de 2012, também pelo PSL, concorreu ao cargo de vereador de Juazeiro do Norte. Terminou na suplência após ter a confiança de 1.660 eleitores. Diante da queda de um parlamentar de sua coligação, Normando finalmente conseguiu ocupar uma cadeira na Câmara Municipal da cidade. Seu mandato foi marcado por convictas reivindicações, conquistando o respeito da população e ampliando seu alcance político.

Em 2014, isso ficou provado. Naquele ano, Normando obteve a maior votação de sua história. Concorrendo ao cargo de deputado federal pelo PSL, obteve 36.488 votos. Não foi eleito, mas o número de votos obtidos mostrou que seu nome já obtinha considerável notoriedade no cenário da política estadual.

Nas eleições municipais de 2016, Normando Sóracles concorreu ao cargo de prefeito de Juazeiro do Norte. Desta vez, pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Ele fez uma campanha de baixo custo, mas carregada de propostas. Sempre combativo, não fugia do debate e expressava suas convicções com firmeza. Terminou em 3º lugar, após obter 13.157 votos.

Em 2018, concorreu a um cargo eletivo pela última vez, já pelo Partido Social Democrático (PSD). Optou pela disputa ao cargo de deputado federal. A campanha do 5517 foi marcada pela simplicidade e reivindicações características. Em seus vídeos de campanha, frisava conquistas e cobrava melhorias. A empreitada foi baseada em apertos de mãos, conversas e abraços. Normando Sóracles, definitivamente, não era adepto de campanhas faraônicas.

E é aqui que chegamos à grande chance tragicamente perdida pelo Cariri.

Relembre a campanha do 5517:

(a matéria continua em seguida)

Naquela eleição, Normando obteve 28.218 votos. O número não foi suficiente para elegê-lo. Acabou na suplência. Alguns episódios políticos acabaram por favorecer a sua ascensão ao cargo de deputado federal. A sua posse ocorreria em algum dos 30 dias do último mês de abril.

O radialista chegou a ir algumas vezes a Brasília, para trativas de sua suplência. Continuou em busca de construir um mandato participativo, como preferia, tanto para atualizar as demandas, quanto para renovar ideias. Essas Normando tinha muitas. Confira, em áudio, o registro de um desses episódios:

RELATOS

Normando colecionava admiradores. Seja amigos, ouvintes, leitores, telespectadores, colegas de trabalho, e até mesmo adversários políticos em pleitos. Ele era unanimidade. Ninguém questionava a sua índole. Sócrales tinha uma carreira irretocável. Para esta matéria, alguns se fazem presentes. Confira:

Giovanni Sampaio, amigo e vice-prefeito de Juazeiro do Norte

Normando era filiado ao mesmo partido de Giovanni, o Partido Social Democrático (PSD). Ao seu lado, participou de atos e foi um dos grandes motivadores da campanha do então vice-prefeito candidato à reeleição, na chapa de Glêdson Bezerra, em 2020. Em seu relato, Sampaio destaca a luta do radialista pela causa humanitária.

“Foi muito trágica a morte de Normando. Muito inesperada. No leito de hospital ainda teve forças para orientar as pessoas e cuidar das pessoas. Não só o Cariri, mas Juazeiro do Norte perde um de seus maiores entusiastas. Normando não precisou de mandato para defender e trazer recursos para Juazeiro, como foi o caso da Singer e tantas outras empresas que tiveram a sua participação. Antes do mandato de vereador, já fazia um trabalho combativo. Uma assistência social muito grande no seu programa ajudando muitas pessoas carentes da cidade […] Nós tínhamos a certeza que com Normando lá em Brasília, com aquela maneira dele de fazer a ‘zuada’, de protestar, e se indignar com as coisas que estavam erradas, Normando iria fazer um grande trabalho. Não só pelo Juazeiro, mas pelo Ceará […] Seria um mandato muito proveitoso […] Perdeu muito a classe política e perdeu mais ainda o nosso Juazeiro”.

Glêdson Bezerra, amigo e prefeito de Juazeiro do Norte

Normando foi um dos grandes protagonistas da campanha de Glêdson Bezerra à Prefeitura de Juazeiro do Norte em 2020. Sua popularidade e carisma foram cruciais para alavancar o alcance da candidatura do amigo. Em seu relato, o prefeito fala sobre a importância do comunicador.

“A gente recebe com muita consternação a notícia de que o inesquecível Normando iria ocupar uma cadeira de deputado federal. Nós sabemos que era um sonho de Normando essa ascensão ao cargo de deputado federal. Certamente não era ele que ia ganhar com isso. Quem ganharia com isso era a população de Juazeiro do Norte e do Cariri. Eu tenho certeza que aquela voz forte seria na defesa cada vez mais intransigente da nossa cidade e da nossa região. De toda forma, apesar de não estar no Congresso Nacional, as ideias de Normando ficaram. O legado dele ficou. E nós vamos continuar trabalhando firmemente para que aquela voz, aquelas ideias e aquela inquietação que ele sempre teve, para que sejam materializadas e a gente possa atender a população que mais precisa, como ele sempre lutou por todos. Vamos dar continuidade ao legado de Normando e trabalhar pelos seus ideais”.

Fernando Santana, amigo e vice-presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Fernando Santana era outro amigo pessoal de Normando. Estiveram juntos em muitos atos de campanha e eram semelhantes na luta pelo povo do Cariri, partindo daí as partilhas de afeto e reivindicações mútuas. Seu relato também é recheado de elogios.

“Eu não posso deixar de lembrar do trabalho que fizemos juntos. Eu como candidato a deputado estadual e ele candidato a deputado federal. Nós fizemos uma dobrada juntos. Nós andamos em algumas cidades juntos. Fizemos alguns discursos juntos. Eu via no Normando a emoção e a vontade que ele tinha de, através do mandato de deputado, ajudar a região do Cariri. Ele fez esse trabalho através do rádio, através de seu site, através da imprensa, mas queria um mandato. Conheci o Normado de coração. Um homem que tinha na sua essência a vontade de ajudar o próximo. O que o Cariri perde é este homem com vontade de ajudar. Ele assumiria o mandato em abril que passou. Teríamos mais um deputado da região do Cariri. Ele vinha ajudando muito já sem mandato. Normando era uma voz que clamava pela igualdade social […] O Cariri teria ganho muito com o Normando como deputado federal […] Portanto, quem perde é a região do Cariri”.

Domingos Filho, amigo e ex-vice-governador do Estado do Ceará

“Normando, em saudosa memória, foi um companheiro de PSD que se preocupou com o povo. Muito acolhedor. Muito apaixonado pelo que fazia, ele procurou representar bem o povo de Juazeiro do Norte e do Cariri. Nós já tínhamos esse projeto em curso para a posse de Normando. Tenho certeza de que ele, no tempo que passasse na Câmara dos Deputados, seria para fazer aquilo que ele mais gostava de fazer, que era ser a voz dos mais humildes. […] Ele não temia falar a verdade. […] Seria muito bom para a representação do Cariri na Câmara dos Deputados. […] Normando tinha uma personalidade muito interessante, que era ousado e inquieto. Ao mesmo tempo, gentil e acolhedor. Parece contraditório. Havia muitos Normandos no mesmo. Homem de luta, homem acolhedor. Ele era muito solidário”.

Eunício Oliveira, amigo e ex-senador da república

Normando Sóracles e Eunício Oliveira eram amigos pessoais de longa data. Era uma lealdade mútua. O contato entre ambos era constante e ultrapassava a política. Em seu relato, o ex-senador destaca o carinho compartilhado e fala da alegria que seria ver a atuação do amigo em Brasília.

Normando era meu querido companheiro e amigo de todas as horas e todas as eleições. A toda hora e em todo lugar. Eu contava aqui para os filhos dele que, certa vez, eu estava na cidade de Massapê e ele saiu no estúdio móvel para ir fazer uma entrevista comigo. Onde eu estava, Normando sempre estava. Ele era uma pessoa extremamente dedicada à causa dos humildes. Eu respeito muito os jornalistas, mas poucos deles, até pelo compromisso com a informação, foram tão humanos como Normando. Ele assumiria agora seu mandato, se não fosse essa pandemia e esse desprezo que tiveram com essa doença no Brasil, não comprando vacina e não cuidando das pessoas. Se isso não tivesse acontecido, eu teria tido o prazer de fazer um jantar na minha casa em Brasília em homenagem à sua ascensão ao cargo de deputado federal. Como deputado, ele transformaria esse mandato em uma causa para os mais simples. Não do Normando, mas das pessoas mais simples, como ele sempre fez. […] É lamentável para o Cariri, é lamentável para o Ceará perder a dedicação e o amor que esse homem chamado Normando tinha pelos carentes, pelos mais pobres. Tenho certeza de que ele faria um dos melhores mandatos da história política do Ceará.

Este que vos escreve, Alan Clyverton

Conheci Normando no início do ano de 2018, quando, indicado por uma colega de faculdade, fui convidado por ele para integrar a equipe do Site Miséria. Por questões pessoais, não pude aceitar. Ele entendeu minha justificativa e disse que, qualquer coisa, poderia chamá-lo. Em novembro de 2020, após concluir um trabalho, assim o fiz. O procurei. Acabei tornando-me colaborador do site. Tive poucos dias de convivência com ele. Entretanto, agradeço pelos elogios, orientações e sugestões. Guardo cada palavra em minha memória. Hoje, sou orgulhosamente jornalista de política deste portal.

Normando hoje é um ideal. Ideais não morrem.

Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência.

Clarice Lispector

Por Alan Clyverton
Com Parceria Site Miséria.com.br

ComentáriosComentários